terça-feira, 28 de fevereiro de 2006

Carnaval?

Roteiro de um carnaval fora do comum, ou melhor, comum para o incomum...
Primeiro passe na locadora e pegue uns 10 filmes, aqueles que você sempre quis ver, mas eles ficavam jogados na prateleira dos filmes antigos, e sempre tinha algo mais novo a ser visitado.
A minha lista dos 10:

O povo contra Larry Flynt
É a terceira vez que vejo. Não preciso falar que é nota 10. Larry Flynt é o dono a Hustle, um publicação masculina, com meninas mostrando mais que os olhos. Além de escrachado o cara é totalmente maluco. No filme tem até Curtney Love, que arrebenta no papel de drogada e esposa do Larry.

Assassinos por natureza
Esse acho que estou vendo pela segunda vez, devo ter visto umas 4 vezes pela metade. Um clássico do estilo sangue para todo lado. Para quem não entende deve ser um horror vez toda aquela violência, mas o mérito do filme é esse mesmo, chocar. É uma grande piada com a sociedade americana, que olha só... Encaixa-se muito bem com qualquer país capitalista que sufoca o povo como maquinas movidas a marketing.

Coração satânico
Esse eu nunca tinha visto. Mesmo não gostando do Mickey Rourke, resolvi da uma chance depois do papel dele em Sin City. O filme deve ter recebido um péssimo orçamento, mas mesmo assim é divertido, muito obvio, mas diverte.

Quem vai pagar o pato?
Esse é uma comédia trash, e longe de ser uma boa indicação. Bons atores pagando mico. Acho que foi feito em uma época de recessão em Hollywood.
Três malucos resolvem assaltar o banco que trabalham, mas cada um com seu próprio plano. Para ver esse lixo, só estando vegetativo na cama de um hospital.

As horas
Chato e sem mérito algum. Um puta elenco em um desperdício de tempo (Deles e meu). Adoro filmes cabeça, mas desses que só um publico muito pequeno se comove não dá, afinal, não sou teatrólogo, psicanalista ou escritor de contos sem pé nem cabeça. Se você tem uma dessas profissões, vai amar o filme.

O fabuloso destino de Amelie Poulain
Esse foi a grande surpresa. Fazia tempo que eu não me divertia tanto com um filme. Um enredo muito limpo e divertido. O filme prende você apartir do primeiro segundo e não te solta mais. Impossível não ficar encantado com o charme e doçura da Amelie Poulain. Nota 10+

Shine
Um ótimo título, e um belíssimo filme. Shine conta a historia de um garoto que vira uma lenda. Com uma vida miserável e um pai atormentado e repressor, David Helfgott mostra como viver é legal, mesmo não sendo uma pessoal com os parafusos no lugar. Geoffrey Rush levou o Oscar pela interpretação do personagem principal do filme. Nota 10+

Adaptação
Olha ai um exemplo de filme maluco que vale cada segundo da bunda na cadeira. Conta a historia de um roteirista, totalmente perturbado, cheio de neuras e aflições. Para completar, o maluco tem um irmão gêmeo, que só tem de igual o DNA. Para você ter idéia da loucura, Nicolas Cage faz o papel do roteirista Charlie Kaufman, que fez o roteiro de “Quero ser John Malcovich”. Na vida real, Charlie Kaufman é realmente o roteirista de “Quero ser John Malcovich”. O filme foi indicado para o Oscar de roteiro, e quem iria receber o premio seria o Nicolas Cage, fazendo o papel Kaufman, loucura geral, o filme tem momentos de total loucura, é de morrer de rir. Nota 10+

O clube do imperador
Esse filme me persegue, e finalmente consegui ver. Me parece que Kevin Kline nasceu para esse tipo de filme. Lutar para educar e tornar pessoas mais civilizadas é uma arte, além de um exercício quase masoquista, levando em consideração nosso mundo corrupto. O filme deixa a lição de que devemos continuar dando credito as pessoas, mesmo que alguns delas não mereçam.
Nota 10+

Divida de sangue
Clint Eastwood é o tipo que é 8 ou 80. No caso desse filme, é 4 ou menos.
Um agente aposentado do FBI é vitima de um maníaco que mata só para deixar o cara na cola dele, além de uma historia repetitiva e já manjada, as novidades não agradam. Além do camarada já está na idade de comer papinha, ele acaba de sofre um transplante de coração, mesmo assim, corre, pula, atira e faz mais piruetas que um trombadinha levando um relógio de madame.
A melhor parte do filme é um defunto que no close da câmera pisca o olho, é de embolar de rir. Nota 4

Mas não dá para ficar só em casa, tem que dar um voltinha. Claro, bem longe do carnaval. Ai tem a boa noticia, cinema tem promoção nesse período, então, acompanhado da cara-metade assisti:

Munique
Menos do que eu esperava, mas consegui valer o ingresso.
Como li em um comentário, o filme tenta ser neutro, mas termina sendo um recado: Não brinquem com os judeus. Nota 7,5

Capote
O filme chega a dar sono (inclusive ouvimos roncos no cinema), mas a interpretação de Philip Seymour Hoffman como Truman Capote deve lhe render o Oscar. Se você não estiver com sono, e já assistiu todos os outros bons filmes no cinema, veja esse. Nota 8

Orgulho e preconceito
Imagine um filme romântico, onde não rola nem um beijo sequer. Não morre nenhum personagem, e a base de tudo é um cara muito rico que é bundão e uma mulher pobre que é avançada para sua época. Um verdadeiro saco. Nota 2

Nos intervalos entre tantos DVDs, entra um clipe ali, outro aqui, e tome pauleira.
A trilha que embalou a semana foi:

A perfect Circle, Tool e The gathering

Bandas em estudo:

The Arcade Fire e Porcupine Tree
Postar um comentário