terça-feira, 17 de junho de 2008

Anathema, Vinho, Wilza Carla e CSS
















Escuto essa banda inglesa quase que diariamente a uns 4 ou 5 anos. Mas minha historia com o Anathema começou a 14 anos atrás. O destino musical e amoroso dos que vos escreve é sempre pautado por tropeços e desencontros.

Estava eu lá na terra do pão de queijo, em visita profissional (Isso ficou parecendo papo de garota de programa), mas como ninguém é de ferro, e meu antigo patrão não era de perder boca livre, fomos para casa do irmão dele, onde estava rolando um comes e bebes.

No meio da conversa regada por um delicioso vinho e queijo daqueles que você só come na casa dos outros (Já notou que o dos outros sempre é melhor?), descubro que o anfitrião é dono da maior casa de shows de Belo Horizonte, e que naquela noite haveria um badalado fuck the world com bandas de Doom Metal (É um Heavy Metal mais intelectual, com uns caras de voz endemoniada).

No meio do enfia um palito aqui, belisca um torresmo ali, veio a proposta: _Vamos lá ver os cabeludos tocar?

Porra cara, se o sujeito não queria que eu comesse o queijo DELÍCIOSO e tomasse aquele vinho de 100 paus a garrafa, falasse logo na cara...
Fiquei em silêncio quase catatônico. E acredito eu, o sujeito pensou melhor. Ele falou:
_Ah! Fodam-se esses gringos de nome esquisito e cabeludos.

Eu nunca fui amante do Doom Metal, mas... Sabe-se lá, de repente o cara diz que o King Diamond iria ta lá... Também não gosto, mas só para ver a trasheira ao vivo e ter história para contar, fiquei curioso.

E ai? Quem são as bandas que irão tocar?

O cara respondeu com alguns nomes totalmente desconhecidos, entre eles, estava o Anathema, que na época tocava um Doom Metal dos bons (Para quem gosta).
Como danado eu iria imaginar que alguns anos mais a frente o Anathema migraria para o Rock Progressivo, tornando-se minha banda preferida?

Eles voltaram ao Brasil 12 anos depois. E como no show anterior, deu merda.
Em Belo Horizonte os caras foram atingidos por ladas de cervejas. E nesse show posterior, que acorreria em SP, a casa de evento foi interditada... Isso com os caras já em cima do Palco.

Por essas e por outras, acho que só conseguirei ver o Anathema ao vivo, se mudar de país.

Como choveu o dia inteiro, e chuva me deixa deprê, ai vão duas músicas do Anathema altamente desaconselháveis a suicidas.

Temporary Peace




Are You There?




Aproveitando...

Para quem ainda não conhece, God is an Austronalt é uma banda que venho estudando... E tem discos maravilhosos. Um rock instrumental de uma competência matemática. Desaconselhável para viciados em Progressive Rock, afinal, ouviu lascou... É gasto financeiro na certa... Quem entende de música não aceita MP3, quer o CD... E com um trabalho primoroso desses, quem tem o vil metal e ouvido premiado, já irá na internet procurar a data do próximo show, seja onde for (E tem gente que fala que dinheiro não trás felicidade).

God is an Astronaut - Coda


Sei que insisto nisso, mas por favor... Tentem escutar essas maravilhas artísticas em algum equipamento de som melhor do que caixas de som de R$ 15,00 ligadas no PC. Não estamos falando de música bahiana, estamos falando arte sonora de verdade.

Ouvir rock progressivo em um som tranqueira é o mesmo que juntar um pacote de chocolate suíço, flores e uma caixa de camisinha e se dirigir para a casa da Wilza Carla.

Wilza antes e depois
















O problema de música ruim, é que já nasce ruim... Diferente da Wilza que um dia já deu para encarar (trocadilho?). Mas como se diz por ai... Tem gosto para tudo... Vai lá com sua caixa de chocolate (Ergh!)


Obs.:

Se você não curte esse tipo de som contemplativo, sem problemas, mas se é de diversão que você gosta, não precisa ser algo idiota como funk carioca ou axé, vai de Cansei de Ser Sexy, é garantia de muitos risos e ainda dá para chacoalhar o esqueleto.
Postar um comentário