sábado, 23 de outubro de 2010

The Cranberries com torta de limão

Simplesmente não vou conseguir fazer minhas descrições técnicas sobre o show do The Cranberries, ocorrido ontem (22/10) no Chevrolet Hall.
Mas vou dizer uma coisa... Foi a melhor performance da banda em toda a turne realizada pelo Brasil.
Não sei se foi o maior público de todos os shows, mas a Dolores sentiu a vibração de mais ou menos 14 mil pessoas cantando todas as músicas. 


The Cranberries - Just My Imagination - Recife





The Cranberries - Dreams - Recife


Os vídeos são do Rauldiegues, capturados em HD. Vai deixar muita gente doente por não ter ido.

Quer ver como foi a abertura? Olha isso:


The Cranberries - Analyse - Recife



Vídeos e fotos nem de longe passam a real sensação de estar diante de um palco com Dolores O'riodan, mas tem gente que é boa com uma camera, como a fotografa Jordana Morais. (Babei muito por esssas fotos,  recordação ad eternum)








Observando as fotos dos fãs, vi uma que se tornou meu background. O autor é o Paulo de Tarso, bem na hora da dancinha... Detalhe, a Dolores atendeu minhas suplicas mentais e fez várias vezes suas famosas dancinhas. Não a vi fazer isso nos outros shows... Uhuuuuu!!!


Reclamações (Sempre tem)
Quando soube que Megadeth, Iron Maiden e Black Eyed Peas viriam a Recife, não me surpreendeu. São bandas de grande público, mesmo os de metal, já que metaleiro é algo como baiano, em todo canto tem um. Mas quando fiquei sabendo que o The Cranberries colocou Recife e Fortaleza no roteiro da tour, fiquei muito surpreso. É uma banda de fama internacional sim, mas é para um público semelhante ao do James (Claro, estou falando em venda de discos), e quem diabos do grande público sabe quem é James?

Os empresários de shows para o Nordeste continuam pensando que o mercado daqui é feito para se ouvir unicamente os lixos produzidos na Bahia e Ceará. O Cranberries entupio a casa de show, sem nenhuma propaganda na TV, nada!

Nenhuma TV local aproveitou os dias que a Dolores ficou em Recife se bronzeando, e realizou uma entrevista com a banda. Uma vergonha para o meio jornalístico que um dia foi tão antenado.

E cabe ao Chevrolet Hall ajustar o ar condicionado de acordo com o que o público merece. Muitos que sacam de som (e são clientes antigos da casa) já notaram que o audio não é o mesmo de antes.

Mas sendo sincero, a ultima coisa que quis saber foi de observações técnicas. O show que durou umas duas horas, para mim passou em 10 minutos.

Década de Ouro
Outro ponto positivo foi ficar aguardando o show com uma seleção de musicas dos anos 80 e 90 que não tem nada haver com trash. Quando cheguei estava tocando Depeche Mode, quando o show terminou, rolou Depeche Mode (entre outros petardos da década de 90).

A festa pra mim não tinha terminado. Fomos (eu, Henrique, Suany e a amiga dela - Kira, que pula mais que canguru e faz cover da Shakira... Huuummmmm) para o aniversário de uma amiga de nossa amiga de longa data, a Manuela (conhecemos 30 minutos antes do show), que estava com crise de coluna e descumprindo ordens médicas para não ir a show nenhum  :D
Depois de ver Suany dançando Michael Jackson em dupla com a Manuela, caldinhos de feijoada enlatada, caipiroscas de vodka paraguaia (Não lembro o nome do bar, mas o atendimento era VIP - "Vai Inbora Porra!"). Fomos deixar a Manu (já tava todo mundo intimo. A Manu que as primeiras palavras para a Suany foram algo como: "Eu não gostei de você", já estava toda derretida de dengos e chorando pela nossa partida (Ou será pela torta de limão que fizemos ela nos servir?).

Emocionalmente, o melhor show da minha vida!
As letras, atitudes e prazer pelo que fazem, tornam o Cranberries a banda mais verdadeira que conheço.
Tecnicamente e pelo carisma, o melhor show que já vi foi o do Silverchair, quando o Chevrolet Hall ainda chamava-se Classic Hall.
Só falta agora a Elsiane vir para o Abril Pro Rock.   :D

Postar um comentário