sexta-feira, 2 de setembro de 2011

Dinheiro! Dinheiro! Dinheiro!

Imagem do Trey Ratcliff, um cara que pensa diferente... 

Recentemente um imbecil vazou na Internet a foto do Steve Jobs decadente e tão magro quanto uma criança esfomeada da Africa. Ética é a palavra que mais escutei nos últimos 10 anos, e me parece ser tão bem usada para o lucro pessoal ou empresarial quanto as palavras: ecologia, auto-sustentável e biocombustíveis (entre outras dezenas de clichês). O mais curioso é que o Jobs ostentava um sorriso inimaginável. Porque será que ele sorria? Por que será que alguns só descobrem o quanto é bela a vida no final dela?

Particularmente acredito que o Steve Jobs com toda a sua arrogância e grosseria conhecidas (do passado) acordou!

Sim, ele furou a fila do transplante para conseguir um novo fígado. Isso é totalmente sem ética. Mas o que você faria para salvar sua própria vida?

O mais curioso, é que pessoas como o Jobs sempre surpreende no fim. Não irei me assustar se anunciarem após sua morte que ele fez parte de alguns projetos sociais, doando ou influenciando soluções para consertar erros que ele mesmo ajudou a produzir.

Uma das músicas do Manic Street Preachers, tem um vídeo (não original) que nunca tive paciência de ver, já que me parecia muito apelativo e obra de mais um sujeito sem bom senso. Até que hoje eu assisti por inteiro:



No final, existe a referencia ao Projeto Venus, uma utopia de um senhor chamado Jacques Fresco.
O vídeo a baixo mostra ele em 1974, sendo entrevistado por Larry King, que como todo "bom" apresentador de auditório, tenta ridicularizar o sujeito, que apesar de realmente ser maluco, mostra idéias e conceitos que sonhamos um dia ser realidade.

Isso inflige duas situações, temos que nos educar para aceitar pensamentos divergentes e ser racionais, coisa que com toda a inteligencia humana não funciona direito.

Que tal educar a inteligencia coletiva? Será que isso já não está acontecendo e nem percebemos?
Será que toda essa extrema liberdade que temos hoje, e os problemas gerados por isso não estará sendo o cimento da base de um futuro melhor?
Ou será que somos somente tudo o que os filósofos e pensadores acham da raça humana, apenas seres hedônicos e egoístas?



As imagens do vídeo do Manic Street Preachers me lembraram de outra musica fantástica deles, que logo a baixo conto a historia...



Kevin Carter é o fotografo que ganhou o premio Pulitzer de 1994, por sua foto de uma criança faminta sendo espreitada por um urubu. Existem alguns versões sobre essa foto. Uma delas diz que o sujeito esperou por 20 minutos que o urubu abrisse as asas (e ele não abriu). Outra versão diz que ele fez a foto banhado em lágrimas (mas ficou mais preocupado em fazer a foto).

No mesmo ano de 1994 Kevin Carter se matou usando uma mangueira para levar o gás do escapamento do carro para dentro do veículo. Ele deixou uma carta:
"Estou deprimido… Sem telefone… Sem dinheiro para o aluguel.. Sem dinheiro para ajudar as crianças… Sem dinheiro para as dívidas… Dinheiro!!!… Sou perseguido pela viva lembrança de assassinatos, cadáveres, raiva e dor… Pelas crianças feridas ou famintas… Pelos homens malucos com o dedo no gatilho, muitas vezes policiais, carrascos… Se eu tiver sorte, vou me juntar ao Ken*…"
*Ken = Ken Oosterbroek, fotografo e amigo, morto por fogo amigo em 18 de abril de 1994.

"As melhores coisas da vida, não são coisas"

Sobre a ganancia humana, uma das historias mais interessantes é do rei Midas, que todos conhecem bem. O rei que recebeu a "dadiva" de que tudo o que tocasse se transformaria em ouro.
Não demorou para Midas perceber o problema que havia se metido. Baco, a mesma divindade que lhe atendeu o pedido, aceitou retirar o poder.
A parte da historia de Midas que poucos conhecem é sobre sua pena por discordar de uma decisão de Tmolo (Deus das Montanhas). Apolo puniu Midas colocando nele orelhas de burro. Constrangido, aquele que um dia foi o rei que em tudo que tocava virava ouro, conseguiu disfarçar suas orelhas com um turbante, mas seu cabeleireiro sabia do segredo, e não conseguia manter a boca calada, assim, cavou um buraco e gritou:  "O Rei Midas tem orelhas de burro!"
Não funcionou, na terra onde o segredo foi escondido, nasceu um junco, e o vento fazia o som ecoar pelo reino: "O Rei Midas tem orelhas de burro!"

Além da historia de Midas, do Kevin Carter, e do Steve Jobs, muitos de nós deveriam prestar mais atenção em pessoas como o Jacques Fresco ou Raj Patel, que apesar de soarem como loucos alienados, podem nos ensinar muito, e criar um equilíbrio entre a alienação coletiva e os modelos de negócios que unicamente visam o lucro financeiro.

Um dos contos disseminados pela Internet (isso mesmo, correntes), atribuem autoria ao Alexandre Magno, como não conheci ele pessoalmente e não tem o telefone dele na lista, facebook ou G+ fica difícil saber se foi ele mesmo. Mas...

Quando à beira da morte, Alexandre Magno (O Grande) convocou os seus generais e relatou seus três últimos desejos:

1º Que seu caixão fosse transportado pelas mãos dos médicos da época;

2º Que fosse espalhado no caminho até seu túmulo os seus tesouros conquistados (prata, ouro, pedras preciosas...);

3º Que suas duas mãos fossem deixadas balançando no ar, fora do caixão, à vista de todos.

Um dos seus generais, admirado com esses desejos insólitos,perguntou a Alexandre quais as razões. Alexandre explicou:

1º Quero que os mais iminentes médicos carreguem meu caixão para mostrar que eles NÃO têm poder de cura perante a morte;

2º Quero que o chão seja coberto pelos meus tesouros para que as pessoas possam ver que os bens materiais aqui conquistados, aqui permanecem;

3º Quero que minhas mãos balancem ao vento para que as pessoas possam ver que de mãos vazias viemos e de mãos vazias partimos.
































As vezes parece loucura querer mudar o mundo...
Mas já percebeu que ele sempre muda?
O problema é que você pode ser só inerte e passar a vida como observador, ou entrar no jogo. arriscar, ganhar, perder... Mas ter a certeza que viveu, contribuiu e distribuiu! É muito mais gostoso!



Postar um comentário