domingo, 5 de novembro de 2006

Investigação Existencial

Final de semana cheio de filmes... tava com saudade!
Revi dois clássicos que merecem várias re-exibições:

A outra história americana
Edward Norton encarna um skinhead líder de uma pá de desmiolados. Depois de meter o pé na jaca, vê o seu irmão (Edward Furlong, exterminador do futuro 2) caindo no mesmo buraco, e vai tentar ajuda-lo. O roteiro desse filme é 10. Tipo de trama que não escolhe um lado, só mostra os fatos. É bom lembrar que o ódio é o combustível para grandes tragédias da humanidade, e o Brasil segue péssimos exemplos atualmente, com um governo amigo de ditadores e planos para uma América Latina leninista. Tento achar que nosso povo é mais experto e menos manipulável que o americano ou russo, mas tem horas que sei não...
Pulp Fiction
Esse filme mistura atores que ficam ótimos em papeis sureais. Eu morro de rir com a crise existencial do assassino, com a injeção de adrenalina no coração e com o mafioso falando: _ Você vai ver agora o que é tortura, vou trazer dois “negões” barra-pesada...












Os filmes que ficam perdidos pelas prateleiras são os melhores:

Huckabees – A vida é uma comédia
Se você não costuma assistir filmes independentes, e é um pouco lento para entender... Esse não é o filme. Agora, se você adora besteirol, e ainda tem um pequeno conhecimento de psicologia e ciência, prepare-se para rir muito. Imagine um cara totalmente puro, poeta, artista, defensor da natureza e esse coitado tem seu ideal surrupiado pelo rival. Até ai tudo normal, mas o cara resolve procurar uma empresa de “Investigação Existencial”, pronto, daí pra frente é se segurar para não fazer xixi nas calças. Dustin Hoffman faz o papel do investigador, e seu cabelo diz tudo, é o típico analista que precisa ser analisado. O filme é um grande saro com a vida, e não podem deixar de ver os extras do DVD, que incluem tanto material idiota que já seria motivo da locação. Nota 10.

Quase Deuses
Esse também pode ser enquadrado como mais um filme sobre racismo. Mas novamente temos a ótica neutra, e mais difícil de ser analisada já que retrata os anos de 1940 na América. Vivian Thomas é um jovem com sonho de ser médico, mas no meio a depressão americana ele perde suas economias para a faculdade. Vai trabalhar como faxineiro para um pesquisador que procura a cura para o trauma causado por lesões sérias. Saber que esse filme é baseados em fatos reais me lembra os provérbios chineses e indianos que incentivam ao homem a ter paciência e que sempre vale a pena pensar mais no beneficio comum do que fama.
Postar um comentário