sábado, 12 de junho de 2010

Dia dos Namorados Modernos

Hoje, dia dos namorados, Sinéad O'Connor esteve aqui em casa novamente tentando reatar.
O dialogo foi mais ou menos assim:

Sinéad, sei o quanto você é linda, como canta bem e seu dom intelectual e potencial para gritar contra os erros da igreja catôlica, mas Sinéad, você não faz idéia de quem você mesma é... Uma hora diz ser lesbica, outra pede perdão ao papa, mas volta a criar polêmica... Você já assumiu que tem distubio bipolar, isso é um passo. Mas Sinéad, eu sou só um cara comum. Não nasci para viver com artistas. Artistas são como a Milla Jovovich, dão para qualquer diretor em troca de um bom papel, ou pode resolver em um belo fim de semana de sol ir cheirar quilos de cocaína com seus amigos. A mesma Milla pode cantar com um lindo vestido vermelho em um dos projetos do Maynard James Keenan, com o sugestivo nome de Pucifer (Pussy+Lucifer), eu nem sou tão quadrado, sério... Eu adoro a Milla e o Maynard, mas não quero eles como amigos... Sinéad, eles são artistas, e loucos, eu não. Eu sei linda irlandesa, sei que você é diferente deles, mas você mesma não sabe quem é. Não é culpa sua, você faz parte de uma turma que se perdeu pelos caminhos do mundo. Pelo menos, você já assumiu que tem problemas e tá se cuidando. [Nessa parte eu menti para a pobre Sinéad].

Olha, eu andei seguindo seus conselhos, mas não deram certo comigo. Não sou um cara prático. Não sou egoista e não consigo deixar de ser romantico. Ser desonesto então, é algo que me trava. Mas eu já te disse que conheço muito bem o mundo, que adoro olhar as coisas por cima e tentar aprender com as mudanças da sociedade. Olha ai por exemplo seu país; tantas brigas e conflitos internos e hoje o povo praticamente esqueceu toda aquela luta armada dos anos 70 e 80. A vida é assim, uns se conformam com pão e circo, outros continuam de olho nos malandros que sempre distorcem os fatos em favor próprio. No seu caso, você foi honesta, tinha seus traumas e resolver expurgar tudo.

500 Dias com Ela
Não Sinéad, não estou "pegando" ninguém. Você me conhece, sou um sujeito igual ao Tom do filme "500 Dias com ela". Não vejo graça em ser "casual" como a Zooey Deschanel no filme. Mas esse mesmo filme, que faz alguns marmanjos fazerem mimimi, me fez morrer de rir, afinal, eu sou um clone do Tom, e mesmo que muitos chamem a mim e ao personagem de otário, meus risos continuam sendo verdadeiros. Entendeu né Sinéad, verdadeiros!

Easter egg moleza... Quem ai entende de Rock?



9 Songs

Outro filme que poderia me deixar triste com o mundo e ter total consciência que o futuro será negro, principalmente para mulheres como você, inseridas de uma forma tão pujante que lembram um guerreiro romano, é "9 Songs". Esse foi engraçado, porque ao ver comentário achei que seria só mais uma comédia romantica, mas com direito a 9 shows de Rock, e claro querida Sinéad, eu amo Rock. Como de costume fui dar uma conferida no filme depois de baixado, e epa, aquilo é um pênis...? Eita! Eu tô vendo coisas ou isso é sexo oral?

Isso mesmo moderna e complicada Sinéad, o filme é recheado de cenas de sexo explicito. Claro que você não se choca com isso, afinal você posou nua na sua gravidez, passou parte da vida careca, você é artista Sinéad, eu não.

Pra falar a verdade, o filme é até bom, tem uns trocadilhos poéticos. Imagine um cara que trabalha na Antártida narrando como um continente totalmente inabitado faz você se sentir claustrofóbico.

Uma citação interessante que o protagonista faz é essa:

"O gelo está em todo lugar.
Ele se estende como um vazio sem limites de brancura e rigor geométrico.
É o continente mais alto, com mais vento e o mais seco. Sua topografia, a mais simples da Terra. Um exercício de reducionismo.
O iceberg é um microcosmos na Antártica. Na queda, substância e símbolo são separados simultaneamente. Assim, são registradas diversas camadas de gelo.
Ao se separar, a massa de gelo vai se desintegrando.
A maioria dura menos de dois meses."

Após essa descrição com imagens brancas e frias (claro que é comparando com a frieza dos relacionamentos modernos), entra a garota do par romantico, ela chacoalha seu traseiro e fala:

"E a bunda faz assim... Assim, frente e trás. Mas tem que se mexer mais".

Não Sinéad, eu não sou tão quadrado que acho sexo algo ruim e feio, mas durante o filme a garota cheira cocaína, vislumbra cenas de garotas sendo usadas por seu "namorado", vai a puteiros "brincar" e no dia que resolve largar o carinha, vendo sua face de otário desolado, solta a frase:

"Às vezes, você tem que ter fé nas pessoas"

Sinéad, nem você com toda sua raiva dos padres pedófilos aceitaria uma frase dessas naquele momento.

Ah! E olha, por mais que o mundo se mostre evoluido e libertino para as novas fêmeas amazonas dominadoras, homens continuarão sem desejar ter algo sério com mulheres "artistas", que aparecem em um filme se expondo, e isso não se enquadra só para atrizes de cinema... As modernas podem muito bem se tornarem famosos graças a youtube, orkut, facebook, twitter, etc.

Paris, Texas
Mas Sinéad, esses debates não chegam a lugar algum. Nos mesmo, amamos os filmes do Win Wenders. Ele toca na ferida, é um Nelson Rodrigues da morbidez amorosa. E é graças a sua sensibilidade em exibir os contornos finos da raça humana, que distingue homem e mulher, que eu queria te falar Sinéad, que vendo "Paris, Texas" me conformo em aceitar que o mundo é feito de pessoas distintas, mas claro, nunca irei me conformar com a banalização das coisas.

Essa cena... Nessas horas eu realmente amo a arte do cinema.

Olha, eu nem queria ser rude, mas tenho que ir... Obrigado por sua visita!
Ah! Você tinha me perguntado sobre o que é uma mulher ideal para um homem...
Eu não sei o que te responder, e tenho até medo de responder, porque talvez o ideal seja uma coisa muito parecida com Deus, o gostoso é ficar na dúvida se existe ou não. Ai já começa o conflito do que eu falo, afinal irlandesa linda, você não acredita em Deus ou em moralidade.

Fica triste não Sinéad, a maioria das mulheres fez escola com você. Elas sonham em ganhar muito dinheiro, serem vistas, desfilarem reluzentes e terem um homem/amante perfeito. Mas não existe espaço no mundo para bilhões de Ivetes Sangalo e Madonnas. E mesmo comprando um homem para você, vai chegar uma hora que você irá se sentir só. O seu lacaio irá contratar uma enfermeira para lhe trazer o remédio das doenças da velhice. Ele muito provavelmente passará os dias vendo TV a cabo, sem sequer olhar para seus olhos uma unica vez na vida.

Não Sinéad, não chore, você ainda é famosa, e ninguém nunca acreditou mesmo na sua aposentadoria, estão todos esperando seu próximo escândalo. Na verdade, você pelo menos é bonita e tem uma voz linda, diferente das escandalosas de hoje em dia.

Tá bom, vou te responder essa pergunta maldita...
Eu acho as personagens da Reese Witherspoon o sonho de consumo de um homem sensato. E para piorar, na vida real ela é chegada a frases de efeito, como quando perguntaram a ela sobre sua separação:

"Quando as pessoas me dizem: 'Isso vai passar'. Eu me pergunto: 'Elas estão loucas?'"

Calma Sinéad, isso tudo não tem nada haver com você, afinal não é você que desenha o mundo... Ou será? Agora me perdi!

Olha Sinéad O'Connor, você pode berrar quanto quiser, mas no mundo ainda existem mais de 6 bilhões de habitantes, pode continuar falando que não existem Reese Witherspoons, mas elas existem sim. Difícil mesmo é encontrar personagens como o Tom.


Agora é Sério...
Para namoradas(os), esposas(os) e amigos(as) safados(as) que aprontam com suas respectivas(os) parceiras(os)...

Ontem vi o Tony Ramos declarando seu amor por sua parceira de 41 anos de estrada juntos.
Eu gostaria de dar os parabéns aqueles que suportaram e suportam conviver por tanto tempo com uma pessoa do lado. Queria dar um exporro em alguns amigos safados, que colocam seus relacionamentos em jogo por pura idiotice. E algumas criaturas do sexo feminino, que parecem ter nascido com testículos, e exatamente por isso possuem uma atração sexual negativa.


PS: Sério mesmo agora... Se eu fosse um pouco mais idiota, só mais um pouquinho, esse Tom do filme "500 Dias com ela" me levaria aos tribunais para cobrar direitos autorais :D
Até a camisa dos meus sonhos dos 14 anos de idade ele me roubou.

E para completar a fúria das feministas, eis o presente que quero receber no próximo dia dos namorados:


Ainda não acabou...

Estou revisitando Six Feet Under, e essa semana vi o sexto capitulo da primeira temporada. Resumindo umas das partes... Um senhor por volta dos 80 anos acorda e vê que sua mulher está morta ao seu lado. Morreu durante a a gélida noite.
A mulher é levada para a funerária dos Fisher, e o senhor velhinho é um "Seu Lunga" da vida. Não quer que toquem na mulher dele. Mas conseguem convence-lo ao embalsamamento antes que ela comece a feder.
Depois que a mulher é "preparada" e maquiada como uma boneca, o velho solta essa:

-Essa não é minha mulher!
-Sim, é sua mulher!
-Meu filho, estou lhe dizendo, essa não é minha mulher... A mulher que acordava comigo todos os dias é feia.



O dialogo segue:

-Filho, você é jovem, deve ter uma mulher jovem e atraente. Você a ama?
-Sim!
-Filho, você não sabe o que é o amor. Essa mulher viveu comigo os últimos 56 anos. Estávamos no cinema e eu me borrei todo, e foi ela que me limpou. Isso é amor!

Você não vai entender nada vendo só essa parte final...
Mas lá pelos 05:30 começa a tocar a música "Let's Go Out Tonight" do Craig Armstrong, cantado por Paul Buchanan. Acredite, somos pequenos demais no universo, faça da sua vida algo que valha a pena. A Sinéad deveria ter ouvido esse conselho a muito tempo.

Six Feet Under - Preimeira Temporada - parte 6


Sinéad... Eu nem quero imaginar quem é o sujeito da foto
Postar um comentário