sábado, 6 de novembro de 2010

Burn Reality

Normalmente eu falo algo positivo, e no final dou a alfinetada (quando não é 100% alfinetada)
Quer saber como foi a Burn Reality ontem? qual o lado negativo, erro ou falha?
Nenhuma! Show impecável!

Meus amigos sabem que não sou de baladas, gosto de paz e tranqüilidade (nem tanto). Mas o que posso fazer se a produtora Juliana Cavalcanti teima em trazer os melhores DJs do mundo? Exatamente os que eu mais curto!

Na minha humilde opinião o Above & Beyond já eram o numero 3 dos Top DJs há um bom tempo. Mas depois de ontem, tenho que pedir desculpas ao mestre Paul Van Dyk (sempre hors-concours) e Tiesto, o Above já é o numero 1!

Os caras começaram a tocar às 02:00h, e como é tradição das festas trance atuais, não tem mais isso de ir subindo ao poucos, já começam com porrada! E vou dizer, os caras sabem agitar o público. Participam da festa interagindo o tempo todo, com mensagens no telão sendo escritas na hora feito caldo-de-cana.

Agradeço a meu amigo Obério que me "obrigou" a trocar o ingresso já comprado com antecedência, de pista para área VIP. Protestei, mas vi que ele tinha razão. Não tinha quase ninguém na área dos "pobres". Isso me indignava, já que pra mim quem faz a festa é a galera que vibra mais, e esses não são os mais elegantes ou os que podem pagar por uma mesa lotada de whisky. Mas ai... WoW! Liberaram geral e a galera que pagou metade do preço (ou 1/4) foi pular de frente ao palco, que emanava jatos de fumaça e confete que se espalhavam por todo o Pavilhão do Centro de Convenções.
(Sou contra áreas VIPs, acho um saco. Paguei por uma VIP e depois todo mundo podia tá junto. E tem neguinho reclamando disso. Se você é VIP camarada, freta um Boing e vai ver show em NY ou na Holanda, e aposto que lá, não tem isso de VIP. Achei o máximo! O legal é todo mundo junto e misturado)

As dançarinas do Burn Reality eram um atrativo a mais... A galera exagerou no visual :) É uma pena não estar com meu amigos desenhistas e nerds que sacariam na hora de onde veio a inspiração para o figurino futurista (e sacana), uma mistura de Blade Runner, Argonautas e uma pitada dos bons e velhos cabarés franceses.

Acho que o A&B só tocou uma unica música do projeto OceanLab (me corrijam), "On A Good day", e a multidão cantou junto. Mas no meio das músicas reconheci a voz da Leigh Nash (Alguém ai lembrou do Delerium?), mas não parou por ai... Rolou "Silence" também do Delerium na voz da Sarah MacLaclan (Perdeu Suany!), e para minha surpresa, mais uma vez a multidão cantou junto!  :)

"Alone Tonight" novamente colocou as estruturas do prédio em perigo. No final trechos de músicas do Paul Van Dyk, e se não me engano, samplers do Cosmic Gate (Coincidência ou tenho poderes psíquicos extra-sensoriais?)


Above & Beyond @ Burn Reality On A Good Day 

(Metropolis)


Fonte: Joanagalega


Às 05:00h entra o Ashley Wallbridge - pensei: acabou a festa pra mim - Que nada, o cara já saiu de Paul Van Dyk. Sabe lá Deus quantas batidas por minutos esse "louco" usa... Só sei que desligaram o ar condicionado e ai foi que a coisa pegou fogo! E era mulher já sem maquiagem, nego já sem saber onde estava, produtor falando para o cara da mesa começar a diminuir o volume (E o cara da mesa de som, fingindo muito bem que era surdo. Obrigado ai velhinho!!!). Escutei o sampler da Blondie, o mesmo usado originalmente pelo (novamente ele) PVD. Em resumo, o tal do Wallbridge parece ter futuro.

Os demais DJs tupiniquins também estão de parabéns. Todos, sem exceção, botaram quente!

Os caras da Temakeria eram educados e a comida nota 10.

Agora o que mais me marcou a noite não foi ver as mulheres mais lindas da cidade desfilando, e sim uma situação interessante...
Um sujeito com cara de menino, bebeu acima do que podia. Ladeado por usa namorada, entrou na fase "vou desmaiar a qualquer momento". Eu queria falar com os amigos dele e dizer: Olha, leva esse cara lá fora para tomar um ar. Mas notei que uma menina a uns 3 metros (essa distancia numa multidão é enorme), não parava de observar a cena. Ela veio e conversou com o rapaz. Ele se mostrou intransigente. Sua namorada não conseguia acalma-lo, mas essa amiga do casal novamente começou a conversar com ele. Os demais amigos sequer olhavam para o sujeito. Quando as duas garotas saíram com o ébrio, não voltaram. A festa para eles tinha acabado ali. Desculpa ai galera que se destroi, mas amigo de verdade é isso. Parabéns a essa menina, que ficou atenta e no lugar de curtir preferiu ajudar alguém (que talvez volte a fazer o mesmo amanhã).


Time of our lives - Paul Van Dyk




Em 2011, pode ser Paul Van Dyk e Cosmic Gate, juro que não irei achar ruim  :)

#
Postar um comentário