terça-feira, 18 de outubro de 2005

O canalha

Esse texto abaixo peguei no Orkut, também coloco o link para quem quiser saber quem foi o autor.

"O canalha,..." 15/10/2005 03:12
Estávamos na banca de revista, quando surgem aqueles comentários das vozes livres das calçadas. Um leitor indignado com a manchete, fala a todos: "esses políticos, roubando há mais de dez anos, ainda esperam clemência para seus delitos..." sendo interrompido pelo dono da banca: "o senhor está enganado, esses homens não roubam há dez anos, eles roubam desde os dez anos, roubam desde a menor infância," chamando, assim, a atenção dos presentes. Já ouvi isso antes, pensei, e, de imediato, lembrei-me de um artigo do jornalista Lustosa da Costa neste conceituado jornal, edição de 10.05.1989, que em seu bojo traz: "O canalha não se improvisa. O canalha é como o gênio, uma longa paciência. Não acredito ainda que um cara super-honesto, guindado a um alto posto vire, no dia seguinte, ladrão político. Se se dana a meter o dinheiro do contribuinte no bolso com toda desenvoltura, é porque já possuía alguma prática. Vão ver, na infância, colava nas provas, roubava a merenda alheia, dedurava colegas, trapaceava no jogo de bola de gude ou sinuca. Era capaz de passar a perna no melhor amigo, para subir. Ao longo do tempo, o caráter do canalha se vai moldando, embora nem todos percebam. São pequenas e quotidianas vilezas, cometidas no seu pequeno mundo de que poucos têm notícias. Quando chega lá em cima, está acabado, perfeito canalha com PhD, embora nem todos o notem. Por isso, com a maior cara-de-pau, atraiçoa o amigo, morde a mão do benfeitor e mete, no bolso, o dinheiro público. Tudo porque já vinha treinando os músculos, o coração, a mente nos miúdos crimes de seu cotidiano," assim escreveu Lustosa da Costa. Clemência, piedade, dó para esses canalhas? Nem pensar! Espera-se das leis do País apenas o que é de seu, justiça! E, se pudéssemos, apagaríamos de nossas mentes seus feitos na política e na história. Os renegaríamos.

Josenias Pontes, General Sampaio-CE, in OPINIÃO, Diário do Nordeste, 1° Caderno, Fortaleza - Ceará, 03/10/2005.

"Queres conhecer o INÁCIO, coloca-o num palácio" - Apparício Torelli, Barão de Itararé.

http://www.orkut.com/CommMsgs.aspx?cmm=3594479&tid=2425251964863652673
Postar um comentário