sábado, 17 de março de 2007

Rock, Fé e Britney Spears



Quantos anos você tem?
20, 30, 40, 50?
Começou escutando música na vitrolinha do seu pai?
Já quis ser guitarrista?
Começou curtindo rock pauleira e migrou para o Pink Floyd?

Camarada, você tem muito em comum comigo e muita gente por esse mundo e talvez até outros mundos (Se você é evangélico já vai pensar que estou falando do capeta).

Esse negócio de rock estar associado ao coisa ruim é uma chatice. Primeiro que o demo segundo a boa e velha sabedoria popular fede a enxofre e usa uma roupinha toda vermelha e ainda ostenta um rabo enorrrrme!
Isso pode até combinar com bandas de rock como Kiss ou Marilyn Manson… Notem que além da indumentária, até o nome dessas coisas são extremamente homossexuais.

E pelo amor de Deus, além de rock ser coisa do diabo, ainda por cima tem que ser gay?

O povo sabido do jeito que é, deveria largar de vez o pagodão e começar a curtir rock and roll…
Claro, isso mesmo… Vejam meu raciocínio:

• Jesus era cabeludo e revolucionário (segundo minha amiga Suany, ele foi o primeiro anarquista);
• Os roqueiros góticos adoram criar símbolos com anjos;
• Roqueiro que é roqueiro se mete a salvador do universo e começa a espalhar paz e amor (Vejam os exemplos do Bono do U2 e Eddie Vedder do Pearl Jam. Tem até a Angelina Julie que segundo a língua do povo já transou com o irmão, vivia com outra mulher e agora é uma maravilhosa mãe e defensora dos oprimidos. Ela pode não cantar, mas tem tudo com o lema do som do cão: Sexo, drogas e Rock and Roll);
• A maior prova que o Rock é injustiçado está dentro das próprias igrejas e templos. Notem que qualquer um desses locais de adoração ao Senhor tem sempre uma bandinha com guitarra, bateria e baixo. É a mais pura formação do Rock, os Power Trios, como o Rush.
(Adoraria me lembrar de um exemplo melhor que o Rush, já que o vocalista da banda é na verdade uma bruxa).

Tá bom, irão me dizer que o mundo do Rock é totalmente envolvido nas drogas e que droga não tem como argumentar, é do mau mesmo.

É verdade, droga é do diabo mesmo… Mas me digam quem é o roqueiro que morre de overdose hoje em dia?

De 2 décadas para cá roqueiros de verdade tem se matado não se drogado. Eu até entendo eles. No mundo moderno tocar guitarra ou bateria só pelo prazer de ver alguns jovens pulando não está com nada, o negócio é ficar rico e aparecer na TV.
Esse raciocínio é motivo suficiente para levar a loucura figuras já perturbadas como Kurt Cobain ou Cássia Eller.

Hoje estava vendo o maravilhoso DVD “A Moment in Time” do Anathema, e a patroa perguntou sobre o show do Anathema no Brasil. Eu disse:

_ Eles só tocaram em Brasília, no show de São Paulo ficaram em cima do palco e não poderam tocar porque a casa de show não tinha alvará de funcionamento.

Prontamente a cara-metade e minha irmã perguntaram:

_ Mas eles receberam o cachê?

Tá vendo ai!
O Rock é coisa dos céus mesmo... Só Deus que assume as dívidas dos outros e ainda perdoa. Jesus era filho de um marceneiro, e se inventasse de nascer hoje em dia com a mesma condição social do passado, provavelmente ninguém o escutaria. O divino teria que vir a terra como vocalista de banda de pagode ou ser Britney Spears. Caso resolvesse encarnar em um humano cabeludo e revolucionário, algum produtor de cara iria querer mudar o visual dele e o coitado além de já nascer sabendo que iria enfrentar a cruz teria que usar roupas, unhas e maquiagem preta.

O que falta nas pessoas hoje em dia é fé.
Fé no próprio ser humano.
Fé que a vida é mais importante que a fama e o dinheiro.
Fé no Rock and Roll, fé no amor, fé em alguma coisa maior...











Seja underground, aceite ficar no background, e seja feliz.

[E olha que eu sou capitalista]
Postar um comentário