quarta-feira, 16 de maio de 2007

Cinema brasileiro e o Homem Aranha Emo























Olha só a carinha de menina :P

O chamado cinema nacional deu uma revigorada dos anos 1990 para cá, mas isso está longe de garantir um espaço no mercado globalizado. Hollywood ainda é líder com larga vantagem, mas países como Índia tratam o cinema como realmente um negócio.

Fui ver na telona o caríssimo Homem Aranha 3. Pensei que iria me divertir e ver algo diferente do tradicional, como é normal em filmes seqüenciados. Realmente foi diferente, já nada de divertido... Tirando algumas piadas que até alegraram, ver Peter Parker ao ser “possuído” por um ser alienígena se torna um Emo me deixou assustado (Já está sendo difícil encarar a realidade de que o mundo é gay... Agora vai ser Emo?)

Qualquer cidadão que saiba um pouco dos meandros da computação gráfica para cinema irá ficar impressionado com as cenas onde o Homem-Areia se fragmenta, mesmo com efeitos muito bons, nada empolga mais que King Kong.

Ai fica a pergunta: _ Para onde foram os US$ 300 milhões?

HamHam! Os americanos também sabem lavar dinheiro!
Nada nesse mundo é melhor para limpar grana suja que arte...
Não tardem amigos deputados, juízes e legisladores, diretores e produtores, podem começar a orçar os próximos filmes...

Que tal um de R$ 400 milhões já para chegar chutando a canela dos estúdios gringos.
Gastasse uns 30% disso com o filme e o resto é lavagem para os porcos.

Será que o pessoal de Hollywood não quer abrir um pólo aqui no Brasil?
Ou será que nos que deveríamos promover um treinamento de corrupção aos homens que falam Action!
Postar um comentário