terça-feira, 17 de julho de 2007

Corrupção mata – Avião da TAM cai!












Campanha
"Zona é lugar de mãe de político!"


Não precisa de índices internacionais. Não precisa de Andersen Consulting ou de uma pá de gringos cientistas para provar o obvio. A corrupção no Brasil mata, e mata muito.

Hoje tivemos o segundo acidente aéreo no país causado pela incompetência dos nossos administradores em menos de 1 ano. São centenas de mortos em tragédias que não temos como jogar em baixo do tapete.

Quando algo acontece e fica impossível de se usar o famoso processo de “abafamento”, as palavras usadas pelos administradores públicos são: Tragédia, suspeitos, sem provas, vamos averiguar, está sendo investigado, em processo de julgamento...

No Brasil nunca existe culpados.

Ninguém tem culpa das fraudes do SIVAM. Não existe culpado pelo descaso da saúde pública que mata muito mais que cem aviões. Ninguém tem culpa da escolaridade no Brasil ser um lixo. Não se sabe quem deixa as cidades cada dia mais entregues aos marginais e cidadãos reféns em suas próprias casas.

Eu não tenho menor interesse em virar Mártir, ou ir para as savanas da África salvar pobres aidéticos, nem mesmo morrer no ártico salvando lindas foquinhas. Só quero morar em um país mais digno. Isso não é querer muito já que essa terra é a mais rica do mundo.

Escutei de um motorista de taxi algo que para mim foi inusitado e revelador.
Ele falou que não vota em nenhuma eleição. Não estamos falando de voto branco ou nulo, estou falando de não ir às urnas.


Esse sábio taxista me alertou para algo realmente intrigante.
As notícias que saem no exterior em relação ao nosso país são bem diferentes das que imaginamos. Lá fora só existem manchetes do nosso maravilhoso Álcool, do nosso futebol e de como o Mula tem revolucionado as perspectivas sociais do nosso povo.





















Como somos obrigados por nossa linda democracia de ir a cada 2 anos cumprir nosso dever civil de votar num bando de filhos de uma vaca, esse senhor passou a não ir a essa reunião bianual de otários. O pensamento dele é que, se 50% da população não comparecer as urnas, uma nova eleição tem que ser feita e o melhor, todos os candidatos devem ser trocados.

Eu não sei se a legislação é bem essa, mas a partir das próximas eleições eu não piso em zona nenhuma, muito menos em zona de votação.

Mesmo que não consigamos chegar a 50% de abstinência, algo como 35% de revoltados já deverá chamar atenção do mundo para que venham nos salvar de nos mesmos.
Postar um comentário