sábado, 3 de maio de 2008

Post Emo


O Coração

Tem horas que desejaria ser só mais uma pessoa comum. Não que eu seja especial, pelo contrário, é mais fácil sentir-me deslocado, um garoto em um canto de parede, acuado pela insanidade global, sufocando-me com todo um ciclo produtivo e sopas de letrinhas comerciais, SAP, ERP, CIO, CEO, SEO...

Os instantes que a vida vale à pena (Tirando da hora que acorda até a hora que os olhos fecham de sono), são aqueles momentos que seu coração dói.

Vá lá você dizer a um médico que sua bomba cardíaca está dolorida e ele ira rir, e falar que esse músculo tão duro que nem o fogo queima é totalmente insensível e que ele não provoca dores.

Mas você que já tremeu e gelou para poder tocar no seu primeiro amor sabe muito bem que cardiologistas não entendem de nada, e que nosso coração pode ser esmagado ou pulsar tanto que parece querer fugir do corpo que o aprisiona.

A noticia ruim é que quanto mais sensações e mais novas experiências na vida, mais esse órgão vai relaxando, e se tornando aquela bomba fria que o médico tanto conhece na sua fisiologia.
Ai você que é uma pessoa normal, pode chacoalhar o símbolo do amor indo a um jogo de futebol torcer por seu time na final. Pode ir ao pagode e vibrar com seu ídolo ou orar na igreja por algum pedido impossível.

Como não sou comum (e sinceramente não sei se isso é bom ou ruim), passo a vida tentando tornar essas fibras musculares que ficam dentro do peito em aço forjado, já que elas parecem tão fininhas e frágeis que tenho medo que partam. Meu maior sucesso de alquimia com meu coração foi torná-lo chumbo, um metal que pode ser derretido até com um isqueiro.

A melhor dor do mundo é aquela que provocam em você. A pior é aquela que você inflige aos outros, mesmo sabendo que as vezes é um ferimento necessário, e que vai curar a pobre vitima de dores muito maiores.
E a vida sempre trás novas experiências, e faz esse órgão protegido pelas costelas se apertar como se o peso do universo estivesse sobre ele.
E se você é chegado a esse tipo de dor, que no fundo vem junto com toneladas de drogas produzidas pelo seu próprio organismo, vai pensar que o melhor remédio é o tempo, mas eu lhe digo... Use mais veneno, use música, e intensifique a dor, só assim ela passa mais rápido.

E tanto os comuns, como os esquisitos como eu, passam a vida a procura dessas dores, desafiando os pobres médicos que acreditam que coração não dói.

Estou pensando em ir numa sessão espírita ver se consigo ouvir o Jim Morrison reencarnar e cantar essa música:

Stone Temple Pilots - Atlanta


(Essa é a ultima música do disco Nº4 do Stone Temple Pilots, um dos melhores discos de rock da história)
Letra original aqui
Tradução aqui


Doenças do Coração

Se você é um jovem adolescente, lotado de hormônios e acha que seus olhos irão pular fora das orbitas graças aos afagos da sua primeira garota, grave na mente esses momentos, e se entregue. Esqueça conselhos babacas de amigos machões, guarde tudo com o maior egoísmo do mundo, isso é só seu.
As mulheres sempre dominaram o mundo, mas hoje elas lutam pelo poder, esqueceram de ler Freud, e não sabem que procuram (como os homens) o inalcançável, e perdem tempo sonhando com suas saias e terninhos por trás de uma grande mesa que vem associada de noites sem amor e frigidez humana. E você ai neo-capitalista do mercado-livre, deixe de imaginar amigos como “contatos”, troque network por uma rede na praia, e faça amigos de verdade, eles podem durar por toda sua vida, mas os negócios são só um ciclo, e eles (os negócios), esses sim, podem fazer mau para seu coração.

Essa musiquinha é direcionada a esse ultimo publico, os workaholics que deixam os amigos esperando na estrada ou nos bares:

Oasis - Champagne Supernova (Live)


(Não é a melhor do Oasis - Ou será? - Mas é a letra que eu mais gosto)

Letra Original aqui
Traduzida aqui
Postar um comentário