terça-feira, 16 de setembro de 2008

O Progressivo morre


Esses últimos dias eu tenho falado muito sobre as injustiças relativas a reconhecimento de figuras que mudaram o mundo.

Ontem (15/09/2008) saiu mais um para tirar a dúvida se existe vida depois da vida (ou da morte?), Richard Wright, pianista/tecladista do Pink Floyd.

Muitos irão falar:
_Mas tecladista? Faz falta não! Chama o cãozinho dos teclados que da no mesmo.
(Se você falar isso na minha cara, ao vivo, espero que você tenha um bom plano de saúde)

Richard Wright é um dos membros fundadores do Pink Floyd, uma banda que faz jovens de 14 anos de idade gritarem mentalmente palavrões mil, odiando ter nascido nesse tempo de músicas baixadas a custo zero(zero de prazer também).

Não vi nenhum comentário sobre a real importância desse mestre dos teclados. Pura injustiça, e não posso deixar isso em branco.

O Pink Floyd, junto com Emerson, Lake & Palmer e The Alan Parsons Project, não só inseriram o uso intensivo de teclados no rock, como trabalharam na eletrônica do equipamento.

No final dos anos 60, música eletrônica era coisa de alemão, e o Kraftwerk foi quem começou a soldar fios e testar capacitores (válvulas?) para tirar um som maneiro daquele piano elétrico.

Quem se tornou orientador de todos esses tecladista foi o engenheiro de som Alan Parsons, um cara que está por traz do Abbey Road dos Beatles e The Dark Side Of The Moon do Pink Floyd. Esse senhor é dono da maior discografia de Rock Progressivo do universo, e seu nome deve fazer senhoras que hoje estão na casa dos 60 anos ficarem de calcinhas molhadas e pensarem: “ai como era bom meu LSD”.

Outros tecladistas que você só vai conhecer se tiver um tio doidão ou for ávido por historia da música são os intocáveis, Kitaro (o modesto) e Vangelis (o arrogante).

Somando todos esses nomes que citei, você irá conseguir correlacionar TODOS os famosos (ou não) do rock progressivo e pop moderno até os anos 90 (porque depois dos 90 o mundo acabou, só ficou faltando enterrar, e já tá fedendo).

Minha senhora, não, eu não esqueci de citar Richard Clayderman (ele não merece entrar nessa lista). Esqueci de citar Andreas Vollenweider e Jean Michael Jarre

Referências para você que não gosta de NX Zero:
(O que? Você não sabe o que é NX Zero? Tá, eu também não)

Richard Wright (Inglaterra 1943 - 2008)
Pink Floyd – A banda (1965 – 1994)
Emerson, Lake & Palmer – Keith Emerson (Inglaterra 1944 - ?)
The Alan Parsons Project – Alan Parsons (Inglaterra 1948 - ?)
Kraftwerk – A banda (1970 - ?)
Kitaro ( Japão 1953 - ?)
Vangelis (Grécia 1943 - ?)
Andreas Vollenweider (Suíça 1953 - ?)
Jean Michael Jarre (França 1948 - ?)

Alguns podem reclamar porque não entrou na lista tecladistas nacionais, como Egberto Gismonti (1947 - ?)... Apesar de ter 4 CDs do referido artista, que sim, merece todo respeito, ele não tem o mesmo nível dos gringos listados.

Não se preocupem nacionalista de plantão, quando algum dos meus preferidos guitarristas bater as botas, irei colocar no TOP LIST, mestre Robertinho do Recife, simplesmente o melhor guitarrista de todos os tempos, e não estou falando do bananal patropi, é do mundo mesmo.

Injustiças não param de me vir a cabeça...
Você ai apreciador de Rock Progressivo, já escutou musica Armorial?

E depois vem me chamar de americanizado...
Globalizado, fiú! (fiú = filho em nordestines), pode chamar de pobre globalizado do submundo esquecido.

Richard, bota pra F. ai no inferno, dia desses apareço por ai!



Tenho certeza que essa era a preferida dele:


Postar um comentário