terça-feira, 20 de janeiro de 2009

Oba Oba do Obama

Vergonhosamente tenho que dizer que votei no Lula em sua primeira vitória. Não que eu gostasse dele, pelo contrário, mas eu odiava o José Serra.

Não gosto de esquerdistas, não gosto de sindicalistas e não gosto daqueles que manifestam apego pelo povo quando na verdade sua meta é só o poder.

Hoje, mais uma vez posso está errando.
Posso estar aplaudindo de pé, um negão que vai assumir o trono do mundo, prometendo mudanças importantes, e assumindo a maior nação do mundo frente a uma grande crise.

Isso só prova que não sou nada além de um simples cidadão. Um ser comum. Com sonhos comuns, que só deseja ver um mundo melhor. Poder andar nas ruas e não ter canais de TV incentivando o medo, seja do terrorismo ou da violência urbana.

Obama pode ser uma farsa, mas ele tem um histórico incrivelmente diferente do nosso populista Lula.
O que se tornou para mim a marca desse novo líder, foram suas frases e seus discursos.

MySpace Celebrity and Katalyst present The Presidential Pledge


Li a alguns anos um comentários perdido no meio de um jornal americano (acho que foi o NY Times) um artigo de um cara de direita apostando que o próximo presidente seria negro, e lá estava o nome Obama pela primeira vez.

Acredito que cheguei nesse artigo por algum link do blog FYI. É de um brasileiro, que hoje não escreve mais em português, e é radicalmente de direita. Deve ser o blog que acompanho a mais tempo... Quer dizer, acompanhava, já que meu inglês é capenga e o dono do citado site está cada dia mais radical. 
E se o Marc Andreessen tem essa opinião sobre o Barak, me sinto bem acompanhado.

Era uma vez...
Finalmente terminei de ver a trilogia de Sergio Leone, e “Quando explode a vingança” realmente tem o tempero dos demais filmes - violência, amor, furia e uma coisa que é absurdamente niilista, nenhum dos personagens valem "dois contos de reis".

Esse filme sempre será atual. Inclusive no post anterior usei a frase de Mao Tse-Tung que é apresentada logo no inicio do filme.

Quando olho para os conflitos na Palestina, vejo o passado de sangue do México, dos EUA, de Roma ou da Alemanha, chego a conclusão que a filosofia oriental tem muito a nos ensinar. Explico - Na China ou no Japão o poder também é fonte de guerras, mas esses povos foram ensinados a ter honra, lutar por sua alma é tão importante quanto dar a vida por sua terra arada.

No Ocidente lutamos por poder e dinheiro, e não aprendemos com os caras de olhos puxados, aconteceu o contrário. E se nada mudar, daqui a alguns séculos nosso pequeno planeta não terá espaço para tantos brinquedos eletrônicos ou energia para ligar todas as tranqueiras que compramos para suprir nossas verdadeiras carências.

Eu prefiro acreditar no Obama. Me arrependo de ter votado no Lula, mas achava que era um voto que ele precisava para mostrar o que poderia fazer... Ele mostrou. E agora quero ele longe, muito longe do seu trono.

Durante 2009 e 2010 o governo irá sangrar todo o dinheiro possível para continuar criando uma névoa sobre o olhar dos humildes. E claro, os que não são humildes e se beneficiam com isso continuarão apoiando essa corja.

Mas o maior de todos os reis é o tempo. Ele destruiu Roma. Fez a Inglaterra perder a pose e mostrou a Alemanha que Hitler era só um mortal.

Hoje é o dia do Obama, e quem sabe, não seja um dia para a humanidade.
Eu prefiro acreditar, prefiro sonhar, e o tempo um dia irá mostrar a verdade.

Frost Nixon
Falando em verdade e tempo...
Eu acho que vou hibernar até o dia 20 de fevereiro para não ter um ataque de nervos de tanta ansiedade para ver esse mega filme:

Frost/Nixon

Postar um comentário