quinta-feira, 9 de abril de 2009

Smells like teen spirit

















Nas ultimas semanas tenho sido acusado de algumas coisas:

Infantil, louco, irresponsável (com dinheiro), sonhador, imaturo (adoro esse titulo em particular, que normalmente são as pessoas mais fracassadas que usam ele), romântico, otário, babaca, bunda mole, falido, tarado (fazer o que se a namorada de 22 tem cara de 15)...

Boa parte desses belos nomes não são falados na cara, normalmente eles vem na mente das pessoas após pronunciarem algo do tipo: _Você é o cara! Gênio! Salvação da lavoura, etc...

Sabe o que é mais legal em ter 37 anos de idade?
É saber que sempre falam essas coisas nas suas costas.
Eu sou tão hippie que quando algo dá errado comigo, procuro as pessoas para deixa-las felizes e contar que tudo deu errado.

Se você ler um pouco sobre psicologia vai ficar impressionado como funciona a cabeça das pessoas. Elas no fundo não te desejam mal, elas só querem você perto delas. Nada melhor que admirar um fracasso previsto, e chegar lá e falar... “Eu te disse”.

Isso não é maldade, é só natural das pessoas.

Mas... existem alguns como minha querida ex-sogra Antônia, minha tia Nancy já falecida, e algumas poucas pessoas que conheci nesse mundo, que fazem as regras da psicologia irem por água.
São pessoas que amam de verdade.
São pessoas que mesmo vivendo da forma mais humilde e simples, sabem falar 2 ou 3 palavras que fazem aquele sujeito que acabou de receber a noticia que sua mulher e três filhos morreram em um acidente de carro, acalmar o espírito revoltado. Não são as palavras dessas pessoas que curam, mas sim suas almas especiais.
Não vieram aqui para ser sorridentes ou complacentes, vieram para irradiar energia.

Bem...
Senhoras e senhores,
Fazia muito tempo que eu não recebia essas acusações, muito tempo mesmo.
E sabe de uma coisa... Isso é um ótimo sinal!
Sinal que as coisas estão voltando a normalidade, que minha energia já está recuperada, e que irei rir muito das pobres pessoas que teimam em tentar me orientar, me tornar mais maduro e menos infantil.

O mais curioso em ser chamado de criança, imaturo... É que adoro meu poucos cabelos brancos, quero que eles se multipliquem. Ainda vai levar um tempo para me sentir velho.
Se durante quase 4 décadas eu ouvi de todos os lados palavras aos gritos: Desista, você sonha alto demais, pense pequeno, vai com calma, espere mais um pouco...
Ainda estou aqui com o mesmo sorriso na cara, com a mesma força, com a mesma ambição de crescer e voar alto, a única coisa que posso querer, é que continuem me criticando.

Em um dos posts aqui do Blog, mencionei uns 10% das coisas que já fiz na vida. Tudo que levam as pessoas a sentirem inveja. Mas o que mais me fez feliz na vida não foram os casos de sucesso.

Aos 16 anos eu trabalhava coletando dinheiro dos clientes de uma loja de piscina. Então eu freqüentava hotéis, casas e claro, todos os lugares onde existiam piscinas e saunas.

A uns anos atrás o mundo era menos bundão, e o cara com 16 era macho, não tinha isso de papai fazer “gut-gut filhinho lindo!”. Quando eu adentrava em puteiros da alta sociedade, o clima não me parecia divertido. Sempre era dia, as festas tinham ocorrido nas noites anteriores, e normalmente eram muitas mulheres de ressaca. Não era raro todos estarem pelados ou usando drogas, como também não era difícil encontrar políticos famosos aproveitando a vida.

Sempre convivi com a boemia e as coisas fora da lei. Não estava lá como participante, sempre como observador, formando minha mente para o que eu seria quando estivesse com cabelos brancos.

Em um dia ensolarado, vi uma conversa entre o cafetão e uma menina de uns 16 anos. Ela chorava intensamente, desses choros que a 10 metros de distancia você sente seu coração começar a doer só pelo som emitido daquela pobre pessoa. Aquele sujeito alto, magro e gay, trava um monologo com a garota:

-Te peguei na rua, seu pai te jogou na rua, só por causa de um cabaço... Não adianta ficar ai pensando quando você era princesa, esse tempo acabou... “primeiro a fama, depois a lama”

Eu deveria ter a idade daquela garota, já era viciado em cinema, e naquele momento me vi como o personagem do Robert De Niro em Taxi Driver. Queria apontar uma 45 e estourar a cabeça daquele idiota. Mas me lembrei que ele era filho da fundadora do prostibulo, não devia saber quem era seu pai, e não teve ter recebido afagos quando criança. Ele já estava pagando (mas morto seria menos prejudicial).

A garota chorava por estar apaixonada por um jovem, filho de usineiro e que passou a freqüentar o local visitando a menina. Ela envolta em suas lagrimas, bradava aos gritos que aquele príncipe iria tira-la dali, iriam casar e ter filhos. O cafetão ria, e sabia que ela estava errada, eu também.

Então... Essa menina pode ter me deixado um dos traumas que carrego (Hahahahahahahaha), segundo a filosofia freudiana/jungiana, eu jamais faria mal a uma menina e tentaria proteger a figura feminina por sua (aparente) fragilidade.
Eu poderia traduzir isso mais simplesmente... Eu amo as pessoas de verdade, eu falo pelas costas como todos, mas falo o mesmo frente a frente. A grande diferença é que sei que as pessoas erram, fazem grandes besteiras, mas que isso faz parte do crescimento. Eu só não consigo ver alguém indo para o abismo e ficar parado. Infelizmente, muitas vezes, isso tudo é conceitual, e a sociedade atual é muito “flexível” e “permissível”. É estou ficando velho.


Abstract

As coisas que ouvi de um taxista em Natal-RN:

“_ Eu digo a meu filho (que tem 18 anos): Quando uma menina quiser dar para você, pense, você tem uma irmã. Aja pensando que você tem uma irmã”.

“_ Minha filha me contou sobre sua primeira relação. Sofreu muito quando se separou do namorado. Foi para a Itália trabalhar como operária, e conheceu um cara, casaram e ganhei um neto”

“_ Sinto o mesmo prazer com minha mulher há 25 anos. Sinto exatamente o que sentia há 25 anos”


Meu novo amigo taxista chamado Júnior, é o tipo de pessoa que você (eu) conversaria por um dia inteiro sem parar. Falamos sobre o problema das drogas, sobre a informação que recebi que o maior índice de jovens na faixa dos 20 anos entrando nas emergências é devido ao Viagra (isso mesmo), e sobre lindas meninas que se vendem promovendo o turismo.

(Já está na hora de fazer o roteiro de Taxi Driver 2, agora com o Júnior ao volante e eu com a .45)

Vou continuar sonhando, continuar aceitando a opinião de todos (na grande maioria não vale de muito mesmo... Com exceção das pessoas de sucesso, que essas sim, podem me contar algo que façam Freud e Jung se fuderem pra lá com suas teses... Posso até citar aqui alguns: Farj, Pablo e Glauber... Qualquer semelhança desses caras com minha tia Nancy ou D. Antônia não é mera coincidência – [Isso ficou meio gay né?].

Se você não entendeu nada... E daí... Eu escrevo para mim mesmo...

Ah! Tem uma cena em "Tomates verdes fritos" que o velho bêbado, já mais para lá do que para cá, recebe uma garrafa de Wisky da... (não lembro mais que é a atriz). Ela é criticada pela amiga, que fala que o velho está morrendo... Isso mesmo! Ai ela dá a garrafa com mais veemência ainda  :)

Smells like teen spirit - Nirvana


OBS: Eu não sou roqueiro, não pretendo ser uma figura publica, não pretendo ficar famoso, não quero discípulos/seguidores... Por favor, continuem me criticando, xingando, falando pelas costas, eu adoro isso! E como o índice de falação vem subindo, é sinal que as coisas estão indo bem :)

(Que pena... serão tantos que não poderão falar: "Eu te disse"... Mas não se preocupem, se der tudo errado, eu conto para vocês)
Postar um comentário