quinta-feira, 13 de maio de 2010

Dia das Mães Gay com Filmes

Dia das Mães
Final de semana conturbado. Encontrar muitas gerações da família numa mesma roda é complicado. Primeiro que a família já não é a mesma. As pessoas hoje mudam de cidade, estado e até país. Ver homens e mulheres que um dia eram crianças faz repensar sobre a vida.

Comecei a escrever isso aqui para falar dos últimos filmes que assisti, mas achei que falar de pessoas tem tudo haver com os filmes.

Para complicar ainda mais os pobres internautas que caem aqui despretensiosamente, vou falar mais uma vez da minha Tia Noemia, uma das minhas três mães (Isso mesmo, tenho 3. Quer dizer, duas, mas hoje descobri que posso chamar minha querida tia de mãe também). Minha tia tem 80 anos e uma série de doenças que não devem deixá-la chegar até o próximo dia das mães.

O mais curioso em ver alguém definhando é observar a reação das pessoas. Muitos viram a cara, não querem nem chegar perto, como se a morte podesse lhes alcançar (Até parece que há alternativa para isso). Outros são aqueles que ficam do lado, possuem uma paciência infinita para cuidar. Desde pentear o cabelo a limpar um ser humano que já não tem mais movimentos.

Tantas pessoas, tantos risos, tantos rostos jovens e saudáveis. Tantos outros de meia idade, e mais alguns que já perceberam que como minha tia estão mais próximos do inevitável.

Minha segunda mãe, Ana Rosa, faz parte das pessoas que estão prontas para cuidar de quem não tem mais forças. E minha mãe de sangue, dona Edna, morre de medo da morte.

Aceitar as diferenças é algo que estou acostumado. Aceitar ver uma geração inteira alienada é algo que não consigo me acostumar. Ver a futilidade, a falta de sensibilidade e o vazio que as pessoas carregam hoje em dia, isso sim, me deixa triste... Afinal, a morte é algo que já nos domina desde o primeiro suspiro de oxigênio, e isso é para todos. Explico isso melhor lá na frente, e tem haver com alienação global, poder e niilismo.

Ah, já ia esquecendo...
Na ultima sexta-feira (07 de maio) fui ver a apresentação do Coral que minha mãe faz parte.

O 8º RELIGARE CANTICUS reuniu vários corais na igreja de Casa Forte. Fui na intenção de deixar a queria genitora contente, mas para minha surpresa, ouvi belas músicas, incluindo Caruso cantado por um grupo cheio de moiçolas lindas. Mas o coral que arrebentou foi um da Igreja Universal (pausa!... Sim! Isso mesmo), o pessoal além de afinado cantou músicas a lá gospel dos negões americanos, com direito a platéia batendo palmas ritmadas como o infernal blues de New Orleans!

Acompanhado do meu irmão, aproveitando que a igreja fica bem na praça de Casa Forte, resolvemos fazer nossa festa profana, regada de Bohemias com coxinha (anota ai a dica, a lanchonete fica na galeria ao lado da praça, coxinhas deliciosas e preço de estudante... além de gente bonita e educada nas mesas).

(Irei continuar devendo um post sobre amor e ódio pelo Recife, mas serei sincero... Pela primeira vez cogito deixar o Nordeste, e quem me conhece sabe que preciso da praia para viver, mesmo que seja só para sentir o vento vez ou outra. Se já conheço MUITAS praias de Alagoas ao Ceará, é hora de explorar de SP a SC... SC não... Até o RS, com direito aos cânions!)

As verdades e as mentiras
Olha, o bom é tomarmos muito cuidado em quem e o que acreditar.
Por exemplo, por que ninguém se pergunta o motivo do Brasil ter lutado tanto para fazer uma copa do mundo e uma olimpíada se o nosso país não tem dinheiro e infraestrutura para isso?

Os apoiadores irão dizer que esses eventos irão mostrar o país, teremos retorno com turísmo, etc.

Mas então o que aconteceu com outros países que sediaram esses eventos? tornaram-se super potências? Quantas olimpíadas e copas a Coréia sediou? E o Uruguai?
(O Uruguai sediou a primeira Copa em 1930, e a Coréia do Sul dividiu as despesas com o Japão e foi a sede da Copa de 2002, que o Brasil ganhou)

Quem ganha trazendo esses eventos? O país ou um punhado de incorporadores?

Resumindo, você, eu e um monte de trouxas estamos patrocinando mais luxuria luxo para os já abastados. Mas vamos deixar isso para lá e nos preocupar em gastar mais alguns trocados nos bares em dias de jogos, afinal, é futebol. (Não sei se você já sabe, mas eu não gosto de futebol).

Sobre a manipulação e as mentiras
O mesmo vem acontecendo com a fé no mundo.
Existe um movimento contra a igreja católica e mesmo eu sendo contra religiões (para mim) eu tenho plena certeza que o povo precisa disso. E se a Igreja fez barbaridades no passado, por que queremos corrigir agora o que aconteceu a 500/600 anos?

Alguém ganha com isso, e não é o povo.

Um dos grandes problemas dos tempos modernos é essa "inteligência" adquirida por muitos, e a tendência de querer transformar o mundo em uma coisa homogênea.

Perdemos o medo da justiça dos homens, e agora estamos perdendo o medo dos céus. Se sabemos que nunca seremos punidos, por que não saímos as ruas e agimos como animais?

Mãe, o pai é gay!
Hoje vi na TV o relato de um casal gay que conseguiu na justiça adotar um garoto. O mais curioso é que o processo de adoção foi negado várias vezes, até que um “procurador/promotor/juiz” sei lá o que... (segundo o relado do pai? mãe?) aceitou o caso e ficou de pé e gritou: “Vamos dar uma chance ao amor!” (Nesse momento vislumbrei a cena... um cara de 1,90m com toga cor de rosa, maquiagem purpurina e um martelinho também rosa em formato fálico).

Olha, eu não tenho nada contra gays. Eu tenho contra gays marginais, mas existem padres marginais, garçons marginais e policiais marginais. Durante minha vida – olhe que minha vida é tumultuada – conheci muitos gays, e acredite, para cada um deles que era considerado uma pessoa de bem, tive o desprazer de ver dez que eram: cafetões, traficantes, viciados, pedofilos e a pior raça, os camuflados... Esses são aqueles que até podem assumir que são homo, mas o que eles não divulgam é que levam uma horda de amigos a caminhos sem volta, como as drogas.

Se você que é gay, leu isso e ficou ofendido, provavelmente faz parte desses gays que eu desprezo, ou seja, gays marginais. E eu não deixaria uma criança nas mãos de um gay ou de um padre, afinal, eu respeito estatísticas.

É preconceito? Pode ser, mas eu prefiro evitar o risco.
Ao mesmo tempo, é bom lembrar que não é por que o sujeito é padre ou gay que é um bandido.
Conheci padres honrados, e gays que são pessoas da mais alta confiança.

Mas no fundo, eu não aprovo as mudanças que o mundo vem sofrendo. Não consigo imaginar uma criança crescendo em um lar gay. Não consigo também imaginar uma mulher com três filhos, um de cada pai. Também não consigo imaginar um pai que faz uma ou duas famílias extraconjugais. Ou seja, eu sou um alien nesse mundo.

Existe uma grande diferença entre um homosexual e um sujeito pervertido. Existe uma grande diferença entre um tatuado e um marginal. Mas no mundo moderno com tudo sendo aceito como natural, como sabemos quem é quem?

Só por ser padre o sujeito já é pedófilo?

Sou a favor de mudanças, mas elas estão chegando rápido demais, e ninguém colocaria uma criança de 8 anos pilotando um Boing, mas isso vem acontecendo quando damos muita informações para pessoas simples e humildes, que são a grande maioria do mundo.

E quanto mais terror, mais pessoas se jogando nas mãos de falsos profetas.
Ai vem mais uma pergunta: E por que ninguém vai atrás de colocar na cadeia esses falsos messias?

Estão tirando do povo o direito de fazer escolhas. As pessoas nem percebem, mas estão trocando uma alienação cristã, baseada no amor por outra bem pior, a da aceitação plena de tudo. Não sobra tempo para dar um puxão na orelha do filho que usa esse cabelo viadinho emo, e se a filha de 15 anos já anda com camisinha e KY na bolsa, que belo, que normal!!!
Pois é, esse é o mundo onde tudo é permitido, a babilônia da aceitação e se você tiver coragem, ousar ser contra, você é um retrogrado, fascista e racista.


Filmes

THE BIG LEBOWSKI
http://www.theauteurs.com/films/320

Mais um saro com a cara da sociedade. Toda vez que vejo um filme dos irmãos Cohen eu me pergunto como esses caras conseguem grana para ficar alfinetando a própria cultura deles. Esse filme já é bem antigo, mas como dizem por ai, irei morrer sem ver todos. E esse pelo menos, eu vi, e me deliciei. (Eita! Ficou muito gay isso, né? Aiiiiiiii beshaaaa!)

AMORES PERROS
http://www.theauteurs.com/films/123


ALEJANDRO GONZÁLEZ IÑÁRRITU
http://www.theauteurs.com/cast_members/1007

Inarritu é uma mistura de Nelson Rodrigues com os irmãos Cohen e uma pitada de David Cronenberg. Ai você pensaria que tudo é puro sexo sujo, mas não... Estamos falando do novo mundo, de tecnologia e globalização, ai é onde Inarritu enrosca o rabo da porca. O sexo é algo figurativamente ligado a carência, algo até sem prazer, é como um alivio, uma dose de qualquer droga seguido do espasmo relaxante do desejo rápido e curto, ou seja, moderno como um twiter de poucas palavras, sujo.

Mas a podridão está muito longe do estilo jocoso do Cronenberg. E como tentei esclarecer, não é tenso como Nelson Rodrigues, é pura e simplesmente, sujo.

Amores Perros se encaixa perfeitamente com os filmes subseqüentes do diretor (21 gramas e Babel), porém eu só assisti esse agora, mesmo sendo o primeiro dele para o mercado.

É um filme com historias interligadas, e a cruel realidade da vida moderna, do desapego sentimental das pessoas por seus próximos. A paixão pelo dinheiro, fama, futilidade, drogas e sempre personagens perdidos, sem rumo e mesmo aqueles que ainda amam e desejam um mundo melhor, estão ficam na linha de tiro ou são esmagados pela manada que corre atrás do estrelato fácil e barato propagado pela mídia.

Talvez você não veja tudo isso que falei nesse filme, principalmente se você ainda não viu Babel e 21 gramas. Um das características dos filmes do diretor mexicano é a trilha sonora. Inarritu na verdade começou sua vida artística como DJ, e isso tem um peso grande no som, ou na falta dele em algumas partes, o que para os mais antenados, será algo marcante.

Amores Perros tem jeito de filme indie. A película não tem uma fotografia continua, da até a impressão de que o diretor de fotografia foi substituído na metade do filme, e isso vai lhe ajudar (se você for sensível) a continuar vendo depois da metade, já que até o meio do filme a cor predominante é o vermelho sangue, de sangue mesmo.

Talvez alguns se lembrem de filmes brasileiros, com seus palavrões e malandragem urbana, pobreza e sujeira. E isso serve de alerta para nosso país. O México foi o país que mais sofreu nos últimos 20 anos com a globalização. E a pouco, muito pouco tempo, era a pequena China das Américas. Centenas de empresas se instalaram por lá visando aproveitar a mão de obra barata e os incentivos fiscais de mercadorias que seguem para os EUA com impostos mínimos ou nenhum.

Olhem bem para o momento que o Brasil vive. Um país extremamente violento, mas que já se livrou de parte dos problemas que o México tinha, principalmente a baixa escolaridade.
Por outro lado o México graças a um ciclo infindável de governos corruptos e baixo investimento em infraestrutura, educação e saúde passou a andar para trás, e como o controle de natalidade sempre foi algo irrelevante, o país passou a ter mais gente e menos dinheiro a cada ano.

Os filmes do Inarritu me deixam sufocado. E Amores Perros é um “Requiem for a dream” sem drogas, só de conturbação social. Rezo para que a prosperidade do Brasil continue, não quero imaginar o que seria isso aqui se nos transformássemos em um México.

Meu Deus... Tu leu até aqui só para me xingar nos comentários?
Calma, jogue sua revolta gay aqui, ou pelo menos morra de rir :D

Abraços (só na mulherada)
Postar um comentário