sábado, 21 de junho de 2008

Precisamos de heróis

Infelizmente precisamos de heróis.

E o Brasil precisa mais do que nunca.
Alguém já falou que “uma andorinha só não faz verão”, mas isso não é lá grande verdade quando falamos de gente de carne, osso e um pouco de consciência.

Sempre critico o tal do sistema, e para ser sincero acho que ele tem uma força absurdamente bruta, e que mesmo unindo várias pessoas em prol de uma luta contra as barbaridades diárias, a vitória do bem é quase impossível.

Mas existem heróis.
Não necessariamente heróis como os dos quadrinhos, mas heróis anônimos, que algumas vezes caem na mídia e recebem seus 15 minutos de fama.

Recentemente um projeto social de uma beleza celestial foi exibido no programa do Faustão. Os meninos que outrora não passavam de moleques com barriga d’água, vermes e uma grande chance de emprego no tráfico de drogas, agora, armados de Violoncelo, violinos e outros instrumentos, foram aplaudidos de pé como grandes instrumentistas e desbravadores da guerra contra o sistema.

O projeto “Orquestra Cidadã” tem os garotos regidos pelo maestro Cussy de Almeida.
O idealizador e coordenador do projeto é o juiz João José Targino.




Já mencionei aqui, como um amigo partiu para o terceiro setor, e vem gerindo o Ponto Cidadão de uma forma exemplar. Vi de perto os resultados: Vários adolescentes cheios de opiniões políticas e muita vontade de vencer.

Outro grande amigo, Glauber Santiago, agora faz parte da Visão Mundial, e tenho certeza que foi algo que não estava nos seus planos, mas o destino reserva um lugar especial para pessoas que tem potencial para fazer esse mundo melhor, e ele é um dos heróis que conheço de perto.

Esse ano alguns jovens pernambucanos viraram notícia por seu desempenho em vestibulares, um deles chama-se Esaú da Silva Santos, com 16 anos passou em primeiro lugar no vestibular de medicina da Universidade Estadual de Pernambuco – UPE. Outro jovem que não consegui encontrar o nome (se alguém souber, por favor informe), morador da Vila Santa Luzia no bairro da Torre, também conseguiu um primeiro lugar em um vestibular desses super concorridos. O rapaz é filho de uma ambulante e estudava na Escola Martins Junior (Onde também estudei).

Todos tem competência para ser herói, mas poucos tem energia suficiente para sair do precipício e chegar a um lugar melhor. Temos que nos preocupar com aqueles que não conseguem caminhar sozinhos, e aplaudir os que chegaram lá sem praticamente nenhuma arma, por pura vontade de vencer. Seja herói, ajude. Seja herói, escolha seu destino.






















Escolher o destino, foi o que fez Ubirajara Gomes da Silva, mendigo, vivendo nas ruas a 12 anos, ele concluiu seu segundo grau estudando em calçadas, e pasmem, passou em um concurso do Banco do Brasil, competindo com 19 mil candidatos.

Não deixe de ler essa incrível e emocionante história aqui:
Do banco da praça para o Banco do Brasil.
.
Postar um comentário