quarta-feira, 18 de janeiro de 2012

Clone de mim mesmo

Não sei se isso já foi publicado, mas hoje deu vontade de colocar os rabiscos em dia...
Note que isso tem 1 ano de atraso  :)

O primeiro post de 2011 iria ser sobre o filme "O Curioso Caso de Benjamin Button", comecei a escrever, ficou muito pessoal e mais uma vez me veio a famosa critica social, mas como prometi frear as reclamações sobre o lixo social que vivemos... Ai não resisti, mais um documentário sobre Funk Carioca na praça... Comecei a escrever sobre minha opinião... Parei novamente. (Juro, vou me acostumar, tenho que aprender a ver a casa pegar fogo e ficar sentado observando - Já vi um piloto fazendo isso. No caso, a casa era um F-15 (Ou sei lá o modelo) na base aérea do Recife. O avião quase não conseguiu parar na aterrissagem, algo começou a incendiar, o cara pulo, sentou numa mureta e acendeu um cigarro, ficou observando a maquina queimando. Um dia serei assim.

Ontem vi o Wagner Moura em uma reprise do programa Roda Viva, e para minha surpresa ele falou com todas as letras que sabia que se Tropa de Elite 2 chegasse ao cinema antes das eleições o rumo político do país poderia ter mudado (Sendo sincero, entre Dilma e Serra eu fico na dúvida qual o pior, mas vamos ver o que uma mulher no poder pode fazer). Na entrevista também foi comentado sobre a opinião do José Padilha de NÃO VOTAR em ninguém , já que ele achava que essas ultimas eleições foram "armadas" (Né que essa foi sempre minha opinião, rapaz!).

Mas...
Estou realmente cansado de reclamar, e ver documentários sobre mi(bi)lionários falando que são bonzinhos, que não precisam morar numa casa tão grande e que custa US$ 20 mega (Alexander Gudzowaty), e todo essa blá, blá, blá, sobre o Maravilhoso Mundo de Bob da economia e crescimento, e tvs LCDs e sexo fácil, e peitos de silicone, e carros financiados em 72 parcelas. Eu não quero essa merda pra mim (Os milhões eu quero sim).

Tá, eu assumo, tão nojento quanto os documentários sobre Funk, foi ver o (quase caseiro) filme sobre a pesca industrial em Moçambique. Enquanto odiamos os EUA, precursor de toda ideologia de consumo em massa, a China vem tomando conta do mundo, comprando parte da África, levando suas indústrias para lá.

Como os chineses são 1/5 da população do planeta, e fizeram escola com os americanos, que também ensinaram aos indianos (1/7 da população do mundo é indiana), quando o seu neto que nasceu em 2010 for um adulto, só verá ursos polares em museus, e mulheres serão tão másculas que corre o risco de seu bisneto só chegar ao mundo se for por inseminação artificial, ou pior, se usarmos a teoria evolutiva de Idiocracy, você terá dezenas de bisnetos, que tomarão isotônico no lugar de leite e terão o QI de um funkeiro.


A vida é bela

Depois desse lapso temporal e desabafo, vem o lado bom de estar antenado...
Como nesse mundo não tem como aproveitar tudo, mesmo que o esforço seja grande, descobri uma nova banda. E sim, é mais uma dessas de lugares remotos...

Bang Gang vem da Islândia, o dono da coisa é um cara com visual nerd de nome apropriado: Barði Jóhannsson. O cara tem um tom jazzístico nas composições, e para quem curte pop bem trabalhado (para não dizer impecável) pode correr atrás da discografia da banda, é coisa fina.

Achei tão bem trabalhado, que fui vasculhar a parte técnica do negócio, eis que descubro a Keren Ann. O que ela faz? Meu amigo, ela só não escova os dentes com bombril, o resto a moça arrebenta. Cantora, produtora, compositora, engenheira de som, diretora de shows, tem moradia em 3 continentes. Canta em inglês, francês, holandês e arranha português (esse ultimo, nem a Bjork se sai bem).

Meu preconceito me impediu de pegar o ultimo disco dela, My Name is Trouble (Na capa ela acompanhada de uma pistola), vou me manter na discografia antiga que tá indo bem demais, deixa a decepção (ou não) para mais tarde.

Não dá para negar, unir a Keren e o Barði é o mesmo que pedir para dois psicopatas muçulmanos xiitas desarmarem uma bomba atômica no centro de Nova York. Mas isso existe. Os dois estão juntos no projeto Lady & Bird, uma mistura de musiquinhas lindinhas (calma, a viadagem é para falar que a treta é meio Belle & Sebastian) com pura diversão descompromissada com resultados financeiros (lembra do Pato Fu?).

Senhores suicidas, lembrem-se, essas letras são brincadeira... Não levem a sério, os autores mesmo não levam (assim eu espero).

Bang Gang - One More Trip



We had fun,
But there's nowhere to go.
No directions,
We're here on our own.
Came from heaven,
We're down on the ground.
No more dreams,
We have swallowed them all.
We had fun,
But we're pushed to the floor.
Nothing left -
We will always want more.
Feeling colder,
It's hard to move one.
Bitter taste
Of the passion long gone.

We're shivering,
Our way to sleep,
We're falling deep,
In crystal seas.
We waste our lives,
To chase a dream,
We burned the path,
To what is real.

Let's give it a try !

One more trip
Makes us want to go back
To the place that we belong!
Cause there aint no way,
To tackle the pain,
From the crash of coming down.
One last trip
Makes us want to go back
To the place that we belong!
Cause there aint no way,
To tackle the pain,
From the crash of coming down.

We had fun,
But the night took its toll.
Nothings left:
Our addiction is all.
Feeling colder,
It's hard to move on.
Bitter taste
of the passion long gone.

We're shivering,
Our way to sleep,
We're falling deep,
In crystal seas.
We waste our lives,
To chase a dream,
We burned the path,
To what is real.

Let's give us a try!

One more trip
Makes us want to go back
To the place that we belong!
Cause there aint no way,
To tackle the pain,
From the crash of coming down.
One last trip
Makes us want to go back
To the place that we belong!
Cause there aint no way,
To tackle the pain,
From the crash of coming down.

One more trip
Makes us want to go back
To the place that we belong!
Cause there aint no way,
To tackle the pain,
From the crash of coming down.
One last trip
Makes us want to go back
To the place that we belong!
Cause there aint no way,
To tackle the pain,
From the crash of coming down.







Lady & Bird - La Ballade of Lady and Bird




Bird :
Lady?

Lady :
Yes Bird?

Bird :
It's cold

Lady :
I know

Lady :
Bird...
I cannot see a thing

Bird :
It's all in your mind

Lady :
I'm worried

Bird :
No one will come to see us

Lady :
Maybe they come but we just don't see them
What do you see?

Bird :
I see what's outside

Lady :
And what exactly is outside?

Bird :
It's grown-ups

Lady :
Well maybe if we scream they can hear us

Bird :
Yeah, maybe we should try to scream

Lady :
Ok, Bird

Lady & Bird :
Heeeelp, Heeeelp
Can you hear us now ?
Hello !
Help !
Hello it's me
Hey
Can you see
Can you see me
I'm here
Nana come and take us
Hello
Are you there
Hello

Lady :
I don't think they can hear us

Bird :
I can hear you lady

Bird :
Do you want to come with me lady

Lady :
Will you be nice to me Bird

Lady :
You're always be nice to me because you're my friend

Bird :
I try but sometimes I make mistakes

Lady :
Nana says we all make mistakes

Bird :
Maybe we should scream more

Lady :
Yes, Bird let's scream more

Lady & Bird :
Help ! Help us ! Come on ! Help
Hello !
Help
Hello !
We're lost

Lady :
I don't think they cannot see us

Bird :
Nobody likes us

Lady :
But they all seem so big

Bird :
Maybe we should just jump

Lady :
What if we fall from the bridge and then nobody can catch us

Bird :
I don't know let's just see what happens

Lady :
Okay

Bird :
Come with me

Lady :
Shall we do it together

Bird :
Yeah

Lady & Bird :
1 2 3....Aaaaaaah

Bird :
Lady?

Lady :
Yes Bird

Bird :
It's cold

Lady :
I know

Lady :
Bird...I cannot see a thing

Bird :
It's all in your mind
Postar um comentário